Uma conversa sobre medo

Esses dias, a Mari Camardelli - a minha musa inspiradora e que assina um dos textos dos links abaixo - me chamou no inbox e falou que quer escrever um livro. Sem muito mimimi, ela logo largou a pergunta "me ensina a não ter medo do que as pessoas vão achar?".

Pléin. Pega essa.


Pensei um pouco e disse que não fazia ideia. Eu SEMPRE tenho medo. Seja lá o tamanho do projeto que eu lance. Maaaaaaas, e falei exatamente assim, eu tenho um truque, um estratégia. Não uma estratégia para que eu não tenha medo. O medo vai estar ali e não vai ir embora nunca. Aceitem isso. A moral é tentar fazer com que ele não atrapalhe.

Colo a minha resposta na íntegra e sem cortes e edição. Tentei transformar essa conversa num texto bonito mas não ficou tão claro ou honesto como a resposta que dei, então vai assim mesmo:


"hahahaha
não sei como não ter medo :(
sempre tenho
maaaaaas
tem que mudar o mindset
para que o medo não vença
eu entendi que tudo que tenho a pilha de fazer PRECISA ser feito
pois só assim eu vou descobrir as coisas que gosto de fazer e quais coisas eu sei fazer (ainda to na busca da minha habilidade principal)
só fazendo vou aprender mais
ter mais experiência
e conhecimento sobre mim e o mundo
então já que tudo que eu quero fazer PRECISA ser feito

o medo cai fora
saca?
foda-se o que os outros vão achar, eu preciso fazer isso, logo farei mesmo que não gostem
faz sentido isso ou parece conversa de louco?
hahaha"


Ou seja. Como toda pessoa que se sente perdida e está em busca daquilo que gosta de fazer ou do que sabe fazer, percebi que só fazendo coisas eu vou chegar perto dessas respostas. Se eu fizer algo e não gostar de fazer, isso será um belo aprendizado. Se eu gostei, farei de novo com mais experiência e melhor.

O ato de fazer gera autoconhecimento.
E eu quero autoconhecimento.
Faz sentido?



Esse texto foi enviado para todos que seguem a minha newsletter mensal. Quer receber textos assim em primeira mão com mais vários links de refs legais? Então clica aqui.